Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
8/01/20 às 16h21 - Atualizado em 8/01/20 às 17h36

CEUs das Artes reúnem ações para promover cidadania em locais de alta vulnerabilidade social

COMPARTILHAR

 

Ações culturais, práticas esportivas, cursos de qualificação profissional, serviços socioassistenciais, políticas de prevenção à violência e de inclusão digital. Essas são algumas das atividades oferecidas no CEU das Artes (Centros de Artes e Esportes Unificados), espaços de arte, esporte e lazer, coordenados pela Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus).

 

O DF conta com três Centros, sendo um no Recanto das Emas, um na Ceilândia e no Sol Nascente. As três unidades atendem por dia mais de mil pessoas em oficinas e cursos, totalizando cerca de 208 mil beneficiados em 2019. “Sem dúvida esses espaços conseguem levar conhecimento, diversão e cidadania para a população que vive em territórios de alta vulnerabilidade social no DF e esta é uma importante missão do poder público”, explica o secretário da Sejus, Gustavo Rocha.

 

Segundo o subsecretário de Direitos Humanos e Igualdade Racial da Sejus, Juvenal Araújo, a população tem acesso nos locais a mais de 100 cursos e oficinas. No CEU das Artes de Ceilândia, da QNM 28, são 31; no Sol Nascente, da QNR 02, são 16; e no Recanto das Emas, Quadra 113, 58.

 

Público – Há atividades para atender a todos os públicos, desde crianças até idosos. O aposentado Osvaldo Jacinto da Silva, 66 anos, encontrou no CEU das Artes da Ceilândia um lugar para aprender a usar o computador e ocupar o tempo livre depois que se aposentou do emprego de vigilante. Ele é um dos alunos do curso de informática criado para inclusão digital dos idosos.

 

“Acho ótimo esse espaço. Consigo usar minhas horas vagas para aprender a usar o computador. Aqui descobri que nunca é tarde para aprender algo novo. Agora, consigo usar o computador para ver vídeos e ler notícias”, falou entusiasmado, mostrando suas habilidades com o computador.

 

Para crianças e adolescentes, são várias atividades que podem ser realizadas no turno contrário ao das aulas do ensino regular. A adolescente Michele Souza, de 12 anos, vai para a escola pela manhã e, no período da tarde, pode aproveitar as aulas de Karatê no CEU das Artes da Ceilândia. “Eu faço aulas de karatê duas vezes na semana. Para mim, é muito bom estar aqui. Já tem um ano que pratico esse esporte. Quem sabe um dia posso virar atleta profissional”, disse.

 

Voluntários

 

Os Centros de Artes e Esportes Unificados também ajudam a promover o exercício do voluntariado, pois os cursos e as oficinas são ministrados por profissionais voluntários. O professor de Karatê Juarez Coelho, por exemplo, decidiu ceder algumas horas do seu dia para atender os jovens de Ceilândia. “Já tem um ano que dou aulas no CEU das Artes de Ceilândia. O esporte é muito importante para o desenvolvimento físico e mental do ser humano. As crianças e jovens também aprendem o respeito e crescem com orientação correta”, destacou. Professores da Secretaria de Educação também estão engajados no programa.

 

Família

 

Ao acompanhar os filhos nas oficinas e cursos, os pais também se envolvem com o espaço. Foi o caso da dona de casa Wanessa Souza Branco, 31 anos, que se tornou monitora da oficina da Guarda Miriam, onde estão matriculados seus três filhos: Hyan Rafale, 13 anos, Jhessica Aluara, 7 anos, e Jâime Marciano, 6 anos.

 

“Antes deles entrarem nessa oficina, ficavam ociosos em casa e brigando. Agora, o comportamento deles melhorou muito. Estão mais unidos. Até o desempenho na escola está melhor”, avaliou.