Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/08/19 às 16h39 - Atualizado em 10/09/19 às 14h55

Egressos do sistema socioeducativo terão acompanhamento da Sejus

COMPARTILHAR

 

Com o objetivo de reinserir socialmente e profissionalmente os egressos do sistema socioeducativo no Distrito Federal foi lançado nesta terça-feira (27/08) um projeto para acompanhamento desses adolescentes. A medida é inédita. Pela primeira vez será feito o acompanhamento dos jovens que tiveram a medida judicial extinta. A ação é desenvolvida pela Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav), com o apoio da Subsecretaria do Sistema Socioeducativo (Subsis).

 

Nesse primeiro momento, de forma voluntária, vinte e cinco adolescentes que cumpriram medidas socioeducativas e irão sair da unidade de internação no mês de setembro aderiram ao projeto, que é uma iniciativa da Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus/DF).

 

O secretário-executivo da Sejus, Maurício Carvalho, representou o Secretário de Justiça e Cidadania, Gustavo Rocha, no lançamento da ação na Escola de Governo (Egov). Ele afirmou que o compromisso da Sejus é atuar na ressocialização e evitar a reincidência de atos infracionais. “Como boa parte da sociedade, esses adolescentes estão inseridos em um contexto de dificuldade e essa é uma oportunidade de mudança. O desempenho dos jovens no projeto vai possibilitar novas saídas, eles têm a capacidade de fazer escolhas”, disse.

 

Tamo Junto – O projeto “Tamo Junto” terá início no dia 3 de setembro, das 14h às 18h, todas as terças-feiras, e durante um ano vai oferecer capacitação para os egressos em quatro eixos: escola, família, trabalho e emprego e reintegração social. Os adolescentes receberão uma bolsa-auxílio mensal no valor de meio salário mínimo.

 

“Acredito nesse projeto porque conheci cada um desses adolescentes, vi potenciais colaboradores e vamos fazer dar certo. Eles são importantes para levarmos a iniciativa adiante porque são os principais atores dessa história”, defendeu a Subsecretária da Subav, Juciara Rodrigues.

 

Segundo dados da Subsecretaria do Sistema Socioeducativo da Sejus, 408 socioeducandos foram liberados do cumprimento das medidas em 2018. Em 2019, até julho foram 202.

 

A proposta é um marco no DF e um desafio, afirmou a coordenadora de Internação do Sistema Socioeducativo, Fernanda Rabelo, que representou na cerimônia o subsecretário Demontiê Alves. “É a primeira vez que será feito acompanhamento dos jovens que tiveram a medida judicial extinta. A proposta é fazer diferente, para evitar que esses adolescentes tenham dificuldade de fazer matrícula na escola e de ingressar no mercado de mercado”, explicou.

 

Em nome de todos os adolescentes beneficiados com a ação, C. A. R. discursou e afirmou que a vida deles não se resume a ser jovens infratores. “Seremos jovens empreendedores, com vida profissional e mentes abertas para bons projetos de vida”, disse.