Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
2/07/20 às 17h48 - Atualizado em 10/07/20 às 15h50

Oficina de horticultura:

COMPARTILHAR

 

 

A secretária de Justiça e Cidadania, Marcela Passamani, recebeu, nesta quinta-feira (2), em seu gabinete, cestas de alimentos orgânicos produzidos por socioeducandos de duas unidades de internação: Planaltina e São Sebastião. Os produtos foram entregues por dois adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa, que estavam acompanhados pelo subsecretário do Sistema Socioeducativo da Sejus, Demontiê Alves, e pelos diretores das unidades Kellen Virginia e Luciano Rocha.

 

No Distrito Federal, a horticultura é utilizada como um instrumento de socioeducação e oferece aos adolescentes aprendizados sobre plantio, colheita e manejo da terra. O projeto começou na unidade de internação de Planaltina, onde já existe há pelo menos 10 anos. Com a nova gestão da Sejus, foi ampliado para São Sebastião. Nos dois locais, a oficina conta com grande adesão dos jovens.

 

“Queremos profissionalizar e ampliar esse projeto tão importante. É nosso dever contribuir com a ressocialização desses adolescentes, dando suporte, cursos e preparação para que eles achem seu caminho, seja no orgânico ou no paisagismo, queremos trabalhar para proporcionar um futuro melhor para esses adolescentes”, afirmou Passamani.

 

A proposta da Sejus é estender esse projeto para todas as unidades de internação do DF e inseri-lo no contexto da aprendizagem profissional. Para fortalecer essa iniciativa, serão formalizadas parcerias com instituições interessadas em cursos de aprendizagem, como Embrapa e Emater. O objetivo é proporcionar aos adolescentes uma produção em maior quantidade, para que esses produtos possam futuramente ser vendidos em mercados ou para a comunidade. Esta é uma forma de gerar renda para os socioeducandos, em contrapartida ao que for produzido dentro do período de internação.

 

Com a implementação dessa atividade no eixo da profissionalização, a sejus estará preparando esses socioeducandos a terem uma qualificação para, no momento oportuno, ingressarem no mercado de trabalho com segurança e conhecimento, conforme preconiza o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).