Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
16/07/19 às 14h22 - Atualizado em 16/07/19 às 14h23

Prêmio Maria da Penha vai à Escola já tem vencedores

COMPARTILHAR

 

Três iniciativas bem-sucedidas de prevenção e enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher, desenvolvidas por profissionais de educação da rede pública do DF, serão premiadas pelo Núcleo Judiciário da Mulher do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios(TJDFT). As ações vencedoras do Prêmio Maria da Penha vai à Escola foram selecionadas, entre 17 trabalhos inscritos, por uma comissão julgadora que visitou as 10 escolas finalistas para conhecer de perto as atividades e definir os três primeiros colocados. A Secretaria de Justiça e Cidadania, através da Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav) participa como parceira do projeto. A premiação será realizada, no dia 19/8, no Auditório da Academia do Corpo de Bombeiros do DF, durante a abertura da 14ª Semana da Justiça pela Paz em Casa.

 

O 1º lugar ficou com o projeto A violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e leis que promovem a proteção da mulher, desenvolvido, desde 2018, pela educadora Luana Nery Moraes, no CEM 12 de Ceilândia, com alunos dos 2º e 3º anos e familiares. Por meio da iniciativa, são realizadas oficinas com exposição sobre o tema violência contra a mulher, incluindo oficinas instrucionais para a realização de entrevistas e edição de vídeos, seminários, fanzines, cordéis e redações voltadas à temática, produzidos pelos próprios alunos. O projeto busca envolver toda a comunidade por meio de seminários abertos às famílias dos alunos.

 

Na 2ª colocação, a iniciativa Penha está na escola!, realizada pela professora Vânia Lúcia Costa Alves Souza, no CED 310 de Santa Maria, nasceu a partir da pesquisa “Qual é o problema da sua quadra?”, aplicada nas aulas de geografia, na qual as respostas trazidas pelos alunos atribuíam grande destaque à violência doméstica. O projeto desenvolve-se em 3 etapas: a primeira é voltada à sensibilização dos problemas locais e mapeamento das questões por meio de rodas de conversa e debates; na segunda, elabora-se uma proposta de intervenção a partir de pesquisas e confecção de cartazes, exposições e produção de vídeos; por fim, a terceira etapa envolve articulação em rede para que agentes externos conduzam palestras e oficinas com esses estudantes.

 

A ação Pelo Fim da Violência contra Mulheres e Meninas, aplicada pela educadora Luciene Pereira, no CEF Polivalente (Asa Sul), conquistou o 3º lugar. Iniciada nas aulas de Língua Portuguesa com estudantes do 7º ano, a prática envolve a análise crítica dos contos de fadas e reescrita das histórias, buscando retratar as violências vivenciadas pelas personagens, que culminou em um concurso de redação e desenhos, com o nome do projeto.

 

Histórico

 

A fim de fortalecer e institucionalizar o projeto, foi instituído o Comitê Gestor do MPVE, integrado também pela Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência da Sejus, como órgão relevante para a transversalidade da temática voltada ao enfrentamento a todas as formas de violência.

 

“A Subav tem empreendido esforços para fortalecer psicológica e economicamente as mulheres vítimas de violência, além de participar de palestras sobre o tema feminicídio nas escolas públicas do DF. Portanto, esse projeto vem ao encontro do trabalho desenvolvido pela nossa subsecretaria”, disse a Subsecretária da Subav, Juciara Rodrigues. Juciara Rodrigues, fez parte da comissão julgadora do prêmio.

 

Premiação

 

No dia da premiação, acontecerá ainda o II Congresso Maria da Penha vai à Escola, no qual serão ministradas diversas oficinas pedagógicas, voltadas a profissionais da educação, tendo em vista a prevenção e o enfrentamento à violência doméstica e familiar contra a mulher. Na ocasião, haverá também composição de painel com especialistas na área violência sexual contra crianças e adolescentes e seus desdobramentos. As inscrições para o II Congresso MPVE estão previstas para iniciarem dia 22/7.