Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
10/12/19 às 16h03 - Atualizado em 11/12/19 às 10h32

Programa Pró-Vitima inicia nova modalidade de atendimento a vítimas de violência

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Estado de Justiça e Cidadania (Sejus) iniciou, no último dia 20 de novembro de 2019, o projeto piloto intitulado “Construindo novas perspectivas e ressignificando o processo de violência”, o qual prevê a intervenção psicossocial em grupo voltada a mulheres vítimas de violência no Distrito Federal.

 

A ação, coordenada pela Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav), está sendo desenvolvida inicialmente pelo Núcleo do Programa Pró-Vítima do Paranoá e tem como objetivo proporcionar um espaço de escuta empática, fala, apoio e acolhimento de vítimas de violência, possibilitando a reflexão sobre a violência sofrida, a garantia de acesso à rede de direitos, o fortalecimento, empoderamento e regaste da autoestima e autonomia dessas mulheres.

 

Essa nova modalidade de atendimento do programa é de suma importância, pois possibilitará a expansão da capacidade de atendimento do Pró-Vítima, de modo a garantir maior acesso por parte da população, principalmente àquela em situação de mais vulnerabilidade. Possibilitará, também, a melhoria da autoestima, autonomia e autoconhecimento das participantes, corroborando com a vinculação ao grupo como estratégia efetiva de promoção da saúde mental e enfrentamento das situações de violências vivenciadas.

 

O projeto piloto abordará os seguintes temas: relacionamentos abusivos, autocuidado, autoconhecimento, prevenção e sexualidade, redes de apoio, identidade, autoestima, comunicação assertiva, projeto de vida, direitos humanos, saúde, estratégias de enfrentamento às situações de violência e promoção da qualidade de vida das mulheres atendidas. Serão ao todo, seis encontros, uma vez por semana, tendo ocorrido, os dois primeiros nos dias 20 e 27 de novembro, os demais dias 4, 11 e 18 de dezembro, com encerramento no dia 8 de janeiro de 2020.

 

A atividade conta com a participação de 20 mulheres e envolve especialistas da rede de assistência social, sistema de justiça, saúde e saúde mental.