Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/11/19 às 15h44 - Atualizado em 27/11/19 às 15h45

Sejus atua para inserção econômica e social da população negra

COMPARTILHAR

 

No mês em que se comemora o Dia Nacional da Consciência Negra, celebrado em 20 de novembro, o boletim “PED: Os negros no mercado de trabalho do Distrito Federal”, divulgado na terça-feira (26), aponta que os negros são os mais atingidos pelo desemprego no DF. Dos 330.362 desempregados no primeiro semestre de 2019, 249.638 eram negros (75,6%). Desenvolver políticas públicas para mudar essa realidade é uma das ações que a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) vem promovendo ao longo deste ano.

 

A pesquisa foi realizada em parceria com Companhia de Planejamento do Distrito Federal (Codeplan), Secretaria do Trabalho, Fundação SEADE e o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE) e a Sejus. O subsecretário de Direitos Humanos e Igualdade Racial da Sejus, Juvenal Araújo, compôs a mesa que divulgou os dados na Secretaria do Trabalho.

 

Cotas

 

“Temos de eliminar o racismo estrutural; então, precisamos trabalhar em diversas frentes. Primeiro, é preciso observar que o racismo existe, que é crime e tem de ser combatido. Nós só resolveremos o problema com ajuda de políticas públicas, como as que fazemos no DF”, afirmou  Juvenal Araújo. Ele citou a política de cotas em todo o serviço público do governo.

 

Outra iniciativa, em fase de finalização pela Sejus, prevê 20% de vagas em estágios para negros no governo. “Quando eu era mais jovem, lembro que comecei a trabalhar como guarda-mirim. Hoje, estamos em fase final de um projeto que prevê 20% de vagas em estágios para negros no governo, e penso no tanto de pessoas que podem ser beneficiadas com o auxílio, começando a trabalhar em cargos com menores salários e possibilidade de ascensão”, avaliou.

 

Outras ações são promovidas pela Sejus para inserção social, econômica, cultural e de melhoria de qualidade de vida para as populações negras. Nos dias 12 e 13 de novembro foi realizado o I Encontro Distrital de Boas Práticas em Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Todos os meses também acontece a Feira do Afroempreendedor, também promovida pela Sejus, que ocorre no Palácio do Buriti durante dois dias seguidos e conta com a venda de mercadorias e artesanatos feitos pela população negra do DF. Em dezembro, ela está prevista para os dias 5 e 6.

 

Dados

 

A avaliação das informações por raça/cor e sexo indica que a taxa média de desemprego para as mulheres negras continuou sendo a mais elevada. No 1º semestre de 2019, constatava-se uma diferença de 9,3 pontos percentuais entre a taxa de desemprego das mulheres negras (23,1%) e a dos homens não negros (13,8%). Na comparação com as mulheres não negras (18,0%), que também convivem com elevada taxa de desemprego, a diferença era de 5,1 pontos percentuais.

 

Comparativo

 

Entre os primeiros semestres de 2018 e 2019, o volume de ocupados cresceu 3,5% no DF, principalmente devido à expansão ocorrida dentre os negros (8,1%), já que dentre os não negros houve decréscimo (-5,3%). Neste período, a taxa de desemprego entre os negros passou de 20,9% para 21% e de 21% para 15,9% entre os não negros.

 

O nível de ocupação da população negra cresceu no assalariamento do setor privado (9,9%) e público (4,4%). No setor privado, esse resultado decorreu do aumento entre os com carteira assinada (10,4%) e os sem carteira (7,1%). Também houve crescimento entre os trabalhadores negros autônomos (10,2%), empregados domésticos (8,5%) e classificados nas demais posições (1,8%), que incluem empregadores, profissionais universitários autônomos, donos de negócio familiar.