Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
26/08/19 às 17h16 - Atualizado em 26/08/19 às 17h19

Sejus lança projeto de acompanhamento de egressos do Sistema Socioeducativo

COMPARTILHAR

 

Vinte e cinco adolescentes que cumpriram medidas socioeducativas e, no mês de setembro, vão sair da Unidade de Internação de Saída Sistemática (Uniss), participarão do Projeto de Acompanhamento de Egressos do Sistema Socioeducativo a ser lançado nesta terça-feira (27), às 10h, na Escola de Governo do DF. A iniciativa é da Secretaria de Justiça e Cidadania do DF (Sejus).

 

O projeto, desenvolvido pela Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav), com o apoio da Subsecretaria do Sistema Socioeducativo (Subsis), terá duração de 12 meses, com início no dia 3 setembro, e será fundamentado em quatro eixos: escola, família, trabalho e emprego e reintegração social.

 

O título “Tamo Junto”, criado pelos próprios adolescentes, reflete o caráter pedagógico do projeto que pretende, sobretudo, promover atividades que desenvolvam competências socioemocionais, como empatia, responsabilidade, criatividade, comunicação, autocontrole, autoestima, entre outras.

 

A adesão ao projeto foi voluntária, mediante inscrição. Ações individuais e em grupo serão realizadas, das 14h às 18h, todas as terças-feiras, por equipe técnica da Diretoria de Prevenção e Combate à Violência (Dicomb). Os adolescentes receberão uma bolsa-auxílio mensal no valor de R$ 799,00. Além de um incentivo à adesão e à permanência no projeto, ao longo dos 12 meses previstos, a bolsa será um arrimo para os jovens reiniciarem sua jornada profissional e social.

 

Para o secretário da Sejus, Gustavo Rocha, “os índices de reincidência ao crime no Brasil alcançam a média de 54% e na região Centro Oeste chegam a 75%, o que indica que estamos no caminho certo ao implementarmos o projeto Tamo Junto”.

 

Escola – No eixo “escola”, que acontece por meio de parceria com a Secretaria de Educação do DF, será possível mapear vagas em instituições de ensino próximas à residência dos egressos, facilitando a locomoção e a participação nas aulas. Àqueles que apresentarem dificuldades em relação a conteúdo específico de determinada área curricular, serão ofertadas aulas de reforço. Dessa forma, além da garantia de matrículas, a Subav acompanhará o desempenho do adolescente, evitando a evasão escolar.

 

Família – Quanto ao eixo “família”, serão promovidos encontros periódicos com familiares e/ou responsáveis legais para tratar de temas pertinentes à educação de jovens. Além dos encontros, a Subav prestará atendimentos de assistência social e de psicologia, individuais ou em grupo, a membros da família com a finalidade de resgatar e fortalecer vínculos familiares.

 

Trabalho – No eixo “trabalho e emprego”, será implementado um conjunto de técnicas para auxiliar, de forma individual e coletiva, as escolhas profissionais dos egressos. O processo de orientação vocacional pode contribuir para que tenham conhecimento suficiente sobre um curso a ser realizado, bem como as características de uma carreira a ser seguida. Além disso, a orientação vocacional é uma forte ferramenta para o autoconhecimento e uma oportunidade de reconhecer habilidades. Com vistas à reintegração dos adolescentes no mercado de trabalho, a Subav identificará vagas de emprego formal, assim como estágios remunerados. Cursos de curta duração, sobre temas voltados ao empreendedorismo também integrarão as ações.

 

Reintegração social – Para o fortalecimento do eixo “reintegração social”, serão realizadas oficinas destinadas à elaboração, implementação e avaliação de projetos sociais, capazes de transformarem a realidade. Também ocorrerão diálogos sobre relações interpessoais, sustentabilidade e palestras com representantes de organizações da sociedade civil para a apresentação de boas práticas.

 

“Ao final do projeto queremos ver os adolescentes encaminhados e reintegrados. O cumprimento de medidas socioeducativas, com a privação de liberdade, não é suficiente. Esses meninos precisam de orientação, incentivo e apoio para retornarem à escola, resgatarem vínculos com a família, conseguirem emprego e sentirem-se parte integrante da sociedade, sendo capazes de enfrentar os desafios que surgirem”, afirmou a subsecretária da Subav, Juciara Rodrigues.