Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/01/20 às 9h34 - Atualizado em 31/01/20 às 9h35

Sejus participa de evento sobre saúde mental

COMPARTILHAR

 

A Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus) participou da mesa de diálogo sobre saúde mental promovida pela Escola de Psicanálise de Brasília, nesta quinta-feira (30), no auditório do Sindicato dos Professores no DF (Sinpro/DF). A iniciativa foi uma parceria entre a Subsecretaria de Atividade Psicossocial da Defensoria Pública do Distrito Federal (Suap/DPDF), o Sinpro/DF e contou com apoio da Sejus e do Instituto Kalile.

 

Evidenciar a importância da saúde mental e promover ações de prevenção ao adoecimento emocional da população por meio de uma roda de conversa. Esses foram os objetivos do evento que contou com a presença do subsecretário de Apoio a Vítimas de Violência da Sejus, Diêgo Moreno, na mesa de abertura e faz parte das atividades da Campanha Janeiro Branco.

 

Além da palestra “Saúde Mental: perspectivas sociais e acolhimento” ministrada pelo doutor Davi Giraldi, o evento também  contou com a participação  da psicóloga do Pró-Vítima, Luana Grazielle Lima, especialista em saúde mental, que abordou os impactos psicoemocionais e a saúde mental de pessoas inseridas em situações de violência atendidas nos núcleos do Pró-Vítima.

 

O Pró-Vítima é um programa de atendimento de psicologia e de assistência social voltado a pessoas em situação de violência, bem como familiares, parentes e amigos de vítimas de crimes violentos. É ofertado pela Sejus por meio da Subsecretaria de Apoio a Vítimas de Violência (Subav).

 

O programa realizou 2.731 atendimentos psicossociais de janeiro a outubro de 2019, sendo 1.588 pessoas do gênero feminino vítimas de violência e 185 do gênero masculino.

 

Janeiro Branco – Esta é a sétima edição da campanha. Ela incentiva as pessoas a investirem e garantirem saúde mental e emocional em seus relacionamentos interpessoais, trazendo uma visão transdisciplinar, humanista e moderna que engloba o combate a transtornos como: depressão; ansiedade generalizada; esquizofrenia; bipolaridade; além de debater sobre a capacidade de reação frente à pressão no trabalho, desencontros amorosos, cobranças da sociedade, oportunidades da infância, responsabilidades da vida adulta, questões da senilidade; entre outros.