Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/12/20 às 8h19 - Atualizado em 31/12/20 às 8h24

Sejus receberá recursos da bancada federal para investir no Sistema Socioeducativo

COMPARTILHAR

 

O Sistema Socioeducativo do Distrito Federal receberá um reforço de R$ 1,6 milhão, que será investido na aquisição de novos veículos, computadores e mobiliário para as unidades de atendimento aos adolescentes em conflito com a lei. O recurso é referente a uma emenda parlamentar da bancada federal direcionada pelo Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos e será executado por meio de um convênio celebrado com a Secretaria de Justiça e Cidadania (Sejus), órgão responsável pelas políticas de socioeducação no DF.

A proposta desta parceria, segundo a secretária da Sejus, Marcela Passamani, é fortalecer o atendimento ao público assistido e, ao mesmo tempo, garantir melhores condições de trabalho para os servidores. “Quanto maior o investimento feito por parte do Estado na estrutura do serviço prestado, mais eficaz é o resultado do trabalho. O que todos nós queremos é que o processo de responsabilização do adolescente possa adquirir cada vez mais um caráter educativo, (re)instituindo direitos, interrompendo a trajetória infracional e promovendo a inserção social, educacional, cultural e profissional desses jovens”, afirmou.

Os carros adquiridos com esse recurso serão utilizados nas unidades de internação e semiliberdade para o deslocamento seguro dos adolescentes até as consultas ambulatoriais de saúde e nas audiências determinadas pelo Poder Judiciário e Ministério Público. Os computadores serão distribuídos para algumas unidades de internação, semiliberdade e meio aberto.

Sistema: A Sejus coordena as políticas de ressocialização dos adolescentes em conflito com a lei no DF. Na sua estrutura, a Subsecretaria do Sistema Socioeducativo (Subsis) é a área responsável pela administração geral das 30 unidades orgânicas de atendimento aos adolescentes, sendo nove de internação, seis de semiliberdade e 15 de prestação de serviços à comunidade e liberdade assistida. O DF tem 3000 adolescentes no sistema, em cumprimento de medidas de meio aberto, internação e semiliberdade.